Óleo Essencial de Cravo

Eugenia caryophyllata

Descrição

O Óleo Essencial de Cravo é obtido a partir da destilação dos botões das flores. Possui fortes efeitos estimulantes e propriedades analgésicas (ex: dores de dente). É anti-séptico e pode ser aplicado em aromatizadores. Pode causar irritações de pele, portanto deve ser sempre diluído e usado com cuidado e moderação quando aplicado sobre a pele.

"Atacadistas e Profissionais da área, temos preços especiais para vocês, entrem em contato clicando aqui."

PREÇO: 18,00 R$
EMBALAGEM: 10ml - (frasco de vidro)

Saiba Mais

Sobre o Óleo Essencial de Cravo

O nome científico antigo do Cravo, Eugenia caryophyllata, deriva da palavra grega "karyophyllon" que significa "folha-noz". Da China é que veio a primeira indicação do uso do Cravo-da-índia como condimento, remédio e elemento básico para elaboração de perfumes especiais e incensos aromáticos. Na China, era então conhecida por "ting hiang" e na dinastia Han (206 a.C. - 220 d.C.) seus frutos foram levados para a corte do imperador por enviados da Ilha de Java. Conta-se que os próprios javaneses mantinham um pequeno fruto na boca para melhorar o hálito, antes de ir falar pessoalmente com o imperador. O Cravo é uma planta arbórea, nativa das ilhas moluscas, possui odor fortemente aromático, sabor ardente e característico. É constituído por óleo essencial contendo eugenol, acetato de eugenol e humuleno, e outros compostos como o ácido oleanólico, vanilina, ácido galotânico. Possui ampla utilização, atuando como estimulante estomacal, aromático e anti-séptico, sendo usado também como expectorante nas bronquites, como condimento versátil nas indústrias de perfumaria, e também para diminuir a sensibilidade da polpa dentária. Devido à contaminação de alimentos e infecções humanas vem sendo largamente utilizado no combate das mesmas. Hoje, a ciência já é capaz de explicar esse uso: é que o eugenol, óleo essencial presente nesta especiaria apresenta efeitos antiinflamatório, cicatrizante, analgésico e é eficaz na eliminação de bactérias presentes na boca. Na culinária da Idade Média, o Cravo era usado como aromatizante para conservas e como adorno para pratos selecionados. Na época do reinado de Ricardo II, era ingrediente do Hippocras, um vinho quente tomado costumeiramente pelos nobres. No século 16, quando chegaram às Ilhas Moluccas, os portugueses imediatamente dominaram as plantações, destruindo aquelas que não podiam vigiar de perto. Esse monopólio fez com que o preço do Cravo no mercado ficasse muito alto. Os holandeses que sucederam aos portugueses agiram da mesma forma e ganharam o monopólio ao destruir todos os craveiros, exceto aqueles que cresciam em uma ilha de sua propriedade. Finalmente, a França rompeu o monopólio e, no começo do século XIX, a planta já era cultivada em grandes plantações em muitas regiões tropicais. No Brasil, o Cravo é cultivado em regiões quentes.

É a mais bela, a mais elegante e a mais preciosa de todas as árvores.

Everard Rump

O Cravo é uma planta de porte arbóreo, de ciclo perene e que atinge cerca de 12 metros de altura. A copa é bem verde, de formato piramidal. As folhas são semelhantes às do louro, ovais, opostas e de coloração verde brilhante, com numerosas glândulas de óleo visíveis contra a luz. As flores são pequenas, branco-amareladas, agrupadas em cachos terminais. O fruto é do tipo baga e de formato alongado, suculentos, vermelhos e comestíveis. Aroma forte e penetrante. Os Cravos que usamos na culinária são, na realidade, os botões florais (ainda não abertos) desta árvore. Na culinária o Cravo é um condimento versátil que pode ser usado tanto em pratos doces como em pratos salgados. É normalmente empregado no preparo de caldos, ensopados, doces, pudins, bolos, tortas de maçã, pães, vinhos e ponches quentes e licores. Na Europa, é muito usado para condimentar carnes e salames. Já no Brasil, o Cravo é usado mesmo para pratos doces, hábito adquirido da nossa colonização portuguesa. Na saúde e cosmética é usado em loções e vaporizações para limpeza da pele do rosto, em produtos de higiene bucal para fazer assepsia e promover um hálito agradável, em banhos de imersão aromáticos e águas perfumadas. É também eficaz no combate à acne. O óleo pode ser usado para massagear músculos doloridos, para suavizar estrias e é eficaz no tratamento de unhas quebradiças, rachadas ou fracas e de calosidades. Usado na elaboração de pomadas para remoção de verrugas. Ainda na forma de pomadas e cremes, alivia a coceira e o inchaço das picadas de inseto. É também utilizado em xampus e loções capilares que limpam e auxiliam o crescimento dos fios. O eugenol, um dos principais constituintes do óleo essencial presente na especiaria, é responsável pela atividade antimicrobiana, com amplo espectro de ação contra fungos como Aspergillus Níger, Saccharomyces cerevisiase, Mycoderma sp, Candida albicans e bactérias Streptococus mutans, Lactobacillus acidophilus e Bacillus cereus, além de outras espécies de fungos, bactérias e leveduras com efeitos antiinflamatório, cicatrizante e analgésico, tem ação bactericida, o que o torna útil para preservar e prolongar a validade de compotas e conservas. Em alguns países, costuma-se introduzi-lo juntamente com dentes de alho dentro de pernis e presuntos. Não se deve exagerar no consumo do Cravo. Ele pode irritar a mucosa da boca. Além disso, quem tem o estômago mais sensível também deve usá-lo com moderação.